Tag Archives: jn

Interactive Infographic: Torre dos Clérigos by JN

screenshot.1Jornal de Notícias (JN) built an interactive infographic celebrating the 250th anniversary of the iconic Torre dos Clérigos (Clérigos Church), in Porto.

They used Flash but it incorporates some navigational devices used with HTML5/CSS3, like vertical scrolling. I got the tip they’re moving into that direction, and sometime soon maybe we’ll see pure HTML/CSS coded interactive narratives.

They incorporated 360º panoramas from the top of the tower and video. It’s simple, cool, I’m not a big fan of their design style but it works pretty well.

JN is one of the few media organizations that consistently create interactive and multimedia narratives in Portugal.

Working with a newspaper’s communities | A trabalhar com as comunidades do JN

Nós na Rede

It’s been in fact for a few months now, but since yesterday i am officially working with Jornal de Notícias‘ online communities. We want to have more of an active, dynamic group of real people than just a high number of followers.

You’ll see me working both Twitter and Facebook accounts with a team of enthusiastic people who know what social networking is. If you want to know what kind of work is that we are supposed to do, here’s a good post about that.

You can follow JN through both accounts and you can also read the blog dedicated to the communities activities.

The goal is to bring people into the life of the newspaper that is part of their lives.

Join us and participate.

Já é  na verdade há alguns meses, mas ontem iniciei formalmente a minha colaboração nas redes sociais online do Jornal de Notícias. Queremos ter um grupo dinâmico de pessoas reais e não apenas um elevado número de followers.

Irei trabalhar tanto no Twitter como no Facebook com uma equipa entusiástica e que sabe o que é estar nas redes sociais. Se quiserem perceber melhor que tipo de trabalho vamos desenvolver, está aqui um post que explica isso.

Podem seguir o JN em ambas as redes e podem ler também o blog dedicado às actividades das comunidades online.

O objectivo é fazer com que as pessoas façam parte da vida do jornal que faz parte das suas vidas.

Juntem-se a nós e participem.

Portugal: Multimedia & Online Journalism Awards | Prémios de Multimédia e Jornalismo Online

Video Journalism award winner | Vencedor do prémio de videojornalismo
Video Journalism award winner | Vencedor do prémio de videojornalismo

Last week, the ObCiber awarded, for the second year, the best online journalism works in Portugal. It’s a good way to recognize and evaluate the state of multimedia and online activity of portuguese media, but the feeling I get is that there is a lot to be done.

If we look at the nominees, we see that, basically, only three different  major news companies made the cut: Jornal de Notícias, Público and Radio Renascença, which are in fact the ones who are developing multimedia in the newsrooms in a sustainable way. The portuguese public television RTP also made the list, with their effort in mobile journalism during the elections, something that deserves to be analyzed by itself, since it had an experimental side to it. But that will have to stay for later.

Here are the winners of this year’s edition:

Na semana passada, o Obciber atribuiu pelo segundo ano os prémios para o melhor jornalismo online em Portugal. É uma boa forma de reconhecer e avaliar o estado e a actividade online dos media portugueses, mas sinto que ainda há muito por fazer.

Se olharmos para os nomeados, vemos que basicamente apenas três marcas informativas chegaram lá: Jornal de Notícias, Público e Radio Renascença, que são de facto os que estão a desenvolver o multimédia nas redacções de forma sustentada. A RTP também está na lista, com o seu trabalho de jornalismo móvel durante a campanha eleitoral, algo que por si só merece uma análise mais aprofundada, devido ao seu lado experimental. Mas isso vai ter que ficar para outra altura.

Eis os vencedores deste ano:

Full House for JN | Full House para o JN
Full House for JN | Full House para o JN

The most nominated and biggest winner was the daily Jornal de Notícias, one of the top selling newspapers in Portugal. They were practically running by themselves in most categories, so the Overall Excellency in CyberJournalism award was more than expected. They also won in Best Multimedia Story, with a work about the credit crunch and citizen’s debts, and Best InfoGraphics with a work about Poker.

Público, last year’s big winner, got the Breaking News award. Radio Renascença, the most heard radio in the country, won in the Video category with a piece about nuns in a monastery (they’re a Catholic radio), rewarding their efforts in the video department, that is one of the most hard working in Portugal, and that has been consistently delivering good works.

In college journalism, the Porto’s University news endeavour JornalismoPortoNet took the prize home with the “Porto Adrift” dossier.

O mais nomeado e o maior vencedor foi o Jornal de Notícias, um dos jornais nacionais com maior circulação. Como concorriam  quase sozinhos na maioria das categorias, o prémio de Excelência Geral em Ciberjornalismo era mais do que esperado. Eles também venceram na categoria de Melhor Reportagem Multimédia, com um trabalho sobre o endividamento dos portugueses, e Melhor Infografia com um trabalho sobre Poker.

O Público, o maior galardoado no ano passado, venceu em Breaking News. A Rádio Renascença venceu na categoria de Video, com um trabalho sobre freiras num mosteiro (são a rádio  católica portuguesa), recompensando o seu investimento no departamento de video, que é um dos que mais e melhor trabalha no país.

No jornalismo universitário, o JornalismoPortoNet levou o prémio para casa com o dossier “Porto à deriva

Entre o deve e o haver - JN_1260276904278
Best Multimedia Story | Melhor Reportagem Multimédia

Alfredo Leite, deputy director of Jornal de Notícias, told me that these awards are the recognition  of the work that the newspaper has been developing, and an “added responsibility, since the Observatory (ObCiber) gathers some of the people we acknowledge as the most competent in Digital Journalism” in Portugal.

He claims JN is one of the most solid news websites in the country “though most times we are not seen that way” by a mainstream audience. “It is also the confirmation of a multidisciplinary team that slowly has been integrating in the digital platforms all the journalists and other resources” of the newspaper.

In my opinion, there has been an evolution in Portuguese multimedia news but there is a lot to be done. What i hear is that some strategic mistakes have been made in some newsrooms, by appointing people who know nothing about the internet to coordinate multimedia, the neglect of the online towards a dead tree investment, and a demand for quality where there are no minimum working conditions.  But  that is not journalism, is plain politics.

Still, some are trying. And those will be the ones who will succeed.

Tell me what you think about these works in the comments.

Alfredo Leite, director adjunto do Jornal de Notícias disse-me que estes prémios são “o reconhecimento do trabalho que o JN tem vindo a desenvolver, muitas vezes de forma invisível, de consolidação da sua edição digital” e “uma responsabilidade acrescida já que este Observatório reúne algumas das pessoas a quem mais competências reconhecemos e matéria de jornalismo digital no nosso país”.

Ele afirma que o JN é “das webs mais sólidas do país, ainda que nem sempre sejamos reconhecidos enquanto tal pelo mainstream.”

“É também a afirmação de uma equipa multidisplinar que aos poucos tem integrado na plataforma digital todos os jornalistas e outros recursos do JN.”

Na minha opinião, tem-se assistido a uma evolução no jornalismo multimédia em Portugal, mas é preciso fazer mais. Do que ouço, há erros estratégicos a serem cometidos em algumas redacções, que nomeiam gente que não percebe nada de internet para coordenadores de multimédia, há negligência nos conteúdos online em favorecimento do papel, e uma exigência de qualidade onde não há condições mínimas para o fazer. Mas isso não é jornalismo, são politiquices.

Mesmo assim, há quem tente. E esses terão sucesso. Digam o que pensam sobre estes trabalhos nos comentários.