Tag Archives: alex gamela

MAPA post

Portfolio – Invasive plants Interactive map

One of the goals I set for the science communication  project where I was working was to build some interactive features. I built this phenological calendar and, more recently, an interactive map.

This map shows the origins of the most important invasive plant species in Portugal, and some Portuguese native plants that are invasive in other regions. It’s a simple, straightforward project , directed to a younger audience.

I used two different tools to build this. The navigation and content support is taken from the Fullscreen Pageflip Layout, as seen on Codrops, one of the most inspiring websites I ever came across, and a must follow. I made a concession here, because I’m not a huge fan of flipping pages on a screen, but I felt it worked better that way. It all works with HTML5&CSS3 plus Javascript wizardry.

The map was built with amMaps, a Javascript library package, that had just the right solution for this. I must send a shout out for their impeccable support, they were just awesome. Their maps can be used in so many different ways it made me want to use amMaps again for other projects. Try them out, and look at amCharts too. As a Javascript noob I thought it would be more complicated, but it was easier than I expected to build the map.

The flags’ sections were handmade by me and I got to apply some CSS expertise. One thing that I learned though, not all flags have the same proportions: some are wider than others. Go figure.

If you missed the two links to the map at the top, follow this one, and let me know what you think about it.

 

Audioslideshow: 15 September demonstration @ Coimbra

Hundreds of thousand gathered in protest against the austerity measures imposed by the Portuguese government throughout the country. I was in Coimbra and with the help of Nuno Mendes captured the 20.000 that took the streets in the biggest demonstration since the 1974 revolution, an event that was spawned by social networks.

Entrevista: Twitter e a liberdade de expressão dos jornalistas

Parece que é aquela altura do ano em que os estudantes universitários são obrigados a fazer trabalhos e decidem recorrer a tipos como eu para lhes dar pérolas de sabedoria, o que prova que esta juventude está perdida e eu ajudei a contribuir para isso. Desta vez foi a Mariana Branco, aluna de Comunicação Social em Coimbra (vou apostar aqui que é no ISMT, depois de uma pesquisa na net) que me pediu para comentar uns tópicos sobre o Twitter e principalmente sobre a liberdade que os jornalistas têm em expressar a sua opinião pessoal nas redes sociais.

- Redes sociais enquanto jornalismo participativo;

 

As redes sociais são uma evolução na possibilidade que a internet trouxe em dar aos utilizadores um papel mais activo no processo de criação e produção de conteúdos, jornalísticos ou não. Nas redes, mais do que a criação, é a partilha que se torna predominante. Ao termos um canal pessoal onde podemos veicular a realidade que nos rodeia do ponto de vista individual e ao mesmo tempo inseridos numa comunidade que vive ou está interessada nessa realidade, toda a informação ganha um peso enorme. Podemos verificar isso nas recentes revoluções no mundo árabe, onde grande parte da informação era constituída por fragmentos que juntos dão um quadro bastante abrangente da situação que se viveu.

Mas acima de tudo as redes são precisamente isso, um canal, e não uma prática. As redes sociais são um espaço onde a informação e as pessoas interagem de uma forma e a uma velocidade e volumes nunca antes vistos, mas uma multidão de pessoas numa sala a dar o seu depoimento ao mesmo tempo não é jornalismo. Há pessoas não consideradas como jornalistas que criam conteúdos seguindo procedimentos jornalísticos, mas a grande maioria tem apenas valor como testemunha e participante dos acontecimentos.

Há condições e potencial enormes para o jornalismo participativo nas redes sociais, como se tem visto nos últimos anos, mas é preciso saber identificar o que é testemunho pessoal e o que é jornalismo. E como disse, jornalismo é uma prática, e as redes sociais são um canal intenso de partilha de informação e interacção, logo encarar as redes  sociais enquanto jornalismo participativo é uma má premissa, devendo-se partir do princípio das redes como um espaço fulcral para o jornalismo participativo nos dias de hoje.

 

- Twitter como fonte credível, noticiosa;

 

Qualquer fonte deve ser verificada, contrastada, questionada na sua credibilidade. É um princípio básico do jornalismo, seja com uma testemunha no local do evento que se entrevista cara a cara, seja com uma fonte dentro de uma instituição, seja no Twitter. Existem procedimentos próprios para avaliar essa credibilidade das fontes online. É uma fonte tão credível como outra.

 

- A importância do Twitter para um jornalista;

 

O Twitter pode ser usado de várias formas por um jornalista, mas especialmente para recolher informação junto de instituições e personalidades que o usem, sendo também um canal mais ou menos informal de relacionamento com essas entidades e o seu público. É uma ferramenta de recolha e de análise informativa em tempo real porque quando algo de importante acontece nota-se logo, dependendo obviamente da rede de contactos que se tem.

É também um excelente canal de interacção entre o jornalista e o seu público, e mais um ponto de contacto para além do email pessoal, mais sucinto e directo.

O Twitter ao ser um rio de informação pode ser uma excelente ferramenta de recolha e pesquisa de informação, já que pode entrar directamente em contacto com um utilizador que esteja no local do evento que se quer cobrir, e questioná-lo directamente de forma imediata, algo que antes não seria possível. Imaginem que há um incêndio no Louvre: a partir de Portugal pode-se ter acesso ao testemunho, apoiado por imagens ou áudio, de alguém no local, nos momentos imediatos à divulgação dessa informação. No caso do avião do Rio Hudson em 2008 a notícia espalhou-se ainda antes do avião ter amarado, e as primeiras fotos espalharam-se rapidamente pelo mundo inteiro 15 minutos depois do primeiro tweet. Por isso o Twitter tem tanta importância para um jornalista como um carro, só tem utilidade se for bem usado.

 

- Opinião jornalística no Twitter (ou outra rede social) , isto é, será o jornalista livre de expressar o que pensa, revelar a sua opinião pessoal, revelar partidos sem que isso comprometa a sua vida profissional? Será o jornalista livre de expressar o que sente numa rede social? Terá apenas que divulgar a informação “nua e crua”, sem direito a opinião já fora da “zona de conforto” profissional?

 

Uma das questões mais importantes levantadas pelas redes sociais tem sido essa, a distinção entre o profissional e o pessoal, mas creio que se trata de uma falsa questão, as perspectivas poliíticas e pessoais são muitas vezes assumidas nas perguntas que se fazem numa entrevista ou na forma como se descreve um acontecimento, é uma questão baseada no mito da imparcialidade. Os jornalistas são as pessoas com mais opiniões à face da terra,e ainda bem, porque têm que reflectir sobre a quantidade de informação a que têm acesso e são acima de tudo humanos, contrariamente ao que muitos pensam. Têm é que ter mais cuidado na forma como expressam as suas opiniões em público já que lhes pode causar dificuldades ou desconfiança por parte das instituições com que tem que lidar e do seu público.

Por exemplo, um jornalista que se assuma como adepto de um clube e que passe a vida a falar mal de outros clubes, ou especialmente do presidente de um, pode ter problemas na relação de repórter com o objecto da notícia caso venha a entrevistar esse presidente, ou com os adeptos desse clube porque podem pensar que estará a ser parcial. Mas até pode beneficiar disso, o mais importante é que no seu trabalho cumpra com a sua parcialidade para com a verdade e o seu público. E isso é um ponto importante, os jornalistas com as redes sociais criam o seu próprio público por serem quem são e não apenas um porta-voz de uma publicação. As redes e as comunidades criam-se não só através do contacto profissional mas também por aquilo que as pessoas são, não se pode é cair em exageros.

O que defendo é que os jornalistas têm que saber definir quando é que falam em nome próprio ou em nome da publicação, sem se desvirtuarem como indivíduos e cidadãos, e que saibam  e estejam dispostos a arcar com as consequências disso, porque se começam logo por ter medo de mostrar a sua opinião pessoal ou não a sabem demonstrar convenientemente não servem para uma profissão que do ponto de vista pessoal e de princípios é muito desgastante e exigente. E como disse antes, todos os jornalistas têm opiniões, se dizem o contrário é porque estão a mentir, e mentir não se coaduna com o objectivo da profissão, por mais que isso aconteça.

Com estes canais o grau de exposição e o risco são maiores mas acho que são benéficos porque o público passa a ver para além da marca e da figura mitológica para o ser humano, termo que com algumas pessoas pode ser usado num sentido muito lato.

Entrevista sobre o Twitter

O Twitter tem uma página em que passa o seu/nosso ano em revista

A Elisa David é aluna do curso de Comunicação da ESEC,o mesmo que eu tirei ainda no século passado, e quis saber a minha opinião sobre o Twitter e o seu papel no Jornalismo.

Quem me segue sabe que volta e meia aparecem-me estudantes de cursos ligados ao Jornalismo com pedidos de entrevistas para trabalhos curriculares. Como até hoje acho que não ajudei ninguém a reprovar não me importo de responder o melhor que posso. Parece que vêm falar comigo porque alguém lhes disse que eu era especialista nestas coisas e eu tenho que fazer jus à reputação.Por uma questão de transparência (sim, houve gente que me entrevistou e depois usou as minhas respostas como se fossem ideias próprias) e também para rentabilizar o que disse aqui fica a última contribuição.

A Elisa foi muito simpática e atenta neste processo e levantou algumas questões interessantes. Ora cá vai:

 

Descobriu o twitter, ou foi ele que o descobriu a si?

Eu inscrevi-me no Twitter há pouco mais de 4 anos, comecei a ler bastante sobre a plataforma, que era um pouco diferente do que é agora, e fiquei curioso. Mas ainda demorou algum tempo até começar a usá-lo regularmente.

Porquê usar o twitter?

As razões pelas quais se usa o twitter variam de utilizador para utilizador, e também foram mudando ao longo do tempo para cada utilizador. Pode ser uma forma de se receber informação e ter um grau de interacção com um grupo específico de pessoas, definidas pela sua actividade profissional, gostos (fãs de uma banda, por exemplo), localização, ou seja, qualquer parâmetro que possa definir esse grupo. Mas, obviamente, como as pessoas têm várias características e interesses, acaba tudo por ser bem mais transversal do que isso, e raramente se usa o Twitter apenas para um grupo.

Há quem use o Twitter como uma espécie de chat público, mas vejo isso mais em utilizadores mais velhos, talvez sejam reminiscências do mIRC, mas é uma ferramente muito interessante de comentário e diálogo, já que a possibilidade de catalogar vários tweets através de uma hashtag permite organizar um discurso colectivo. Vemos isso à volta de eventos desportivos, acontecimentos mediáticos, desastres naturais e, especialmente depois da revolta no Irão em 2009, em torno de manifestações e sublevações populares.

A nível empresarial o Twitter é normalmente usado como um canal de difusão, o que desvirtua um pouco o espírito da plataforma. Mas a maioria das empresas não sabe dialogar, especialmente as ligadas aos media. O Facebook veio expor essas fragilidades a nu, mas os primeiros falhanços no diálogo nas redes sociais começam no Twitter, porque o utilizador comum podia libertar-se das caixas dos comentários  dos sites das empresas ou dos posts dos seus blogs e entrar no discurso público.

Eu pessoalmente comecei a usar o twitter como uma ferramenta de diálogo, mas depois dos 500 seguidores, especialmente se forem activos, é muito difícil apanhar tudo o que se passa, por mais atento que se seja. Agora uso mais como plataforma de partilha e como fonte de informação.

É que este é um canal com duas direcções e pode ser usada tanto para difundir como para pesquisar e seguir informação. Devido às suas características (o twitter tem 140 caracteres de limite porque era para ser usado através de sms) podemos ter uma leitura rápida sobre um assunto. Há quem diga que é algo superficial, mas o que eu digo é que a ponta do fio traz um novelo agarrado.

Eu pessoalmente comecei a usar o twitter como uma ferramenta de diálogo, mas depois dos 500 seguidores, especialmente se forem activos, é muito difícil apanhar tudo o que se passa, por mais atento que se seja. Agora uso mais como plataforma de partilha e como fonte de informação, mas estou a ver se reverto a situação, quanto mais uso o Facebook mais gosto do Twitter em termos de diálogo.

Como é que esta rede social o ajuda no exercício da sua profissão?

O melhor exemplo que posso dar é o caso do avião que amarou no Rio Hudson. Por acaso na altura estava a olhar para o Twitter e leio um que diz que um avião vai cair no rio Hudson, em Nova Iorque. “Vai cair”, ainda não caiu. Foi um daqueles eventos que se desenrolaram muito depressa, e comecei logo a procurar por mais informação, usando as palavras chave e seguindo  utilizadores que pareciam estar no local. E por imagens também, a RTP tem tido uma atitude muito boa relativamente ao uso das redes sociais e na altura eles perguntaram-me (através do Twitter) se tinha encontrado alguma foto. Assim que achei partilhei com eles e a RTP, em apenas 10 minutos – desde que se soube do que ia acontecer – mostrou uma foto do que tinha acontecido, no outro lado do oceano, sem passar por nenhum outro orgão de informação, apenas usando o contributo de cidadãos que estavam a testemunhar e a participar dos acontecimentos.

Há jornalistas que acham isto uma estupidez, já mo disseram na cara, mas se formos a ver não é muito diferente que estar a olhar para a máquina dos telex, ver uma notícia de última hora e entrar em contacto com as testemunhas. O que muda é a velocidade, a possibilidade de termos outras linguagens envolvidas como fotografias e videos, e muito particularmente, a atitude de partilha dos utilizadores: a informação vem ter connosco se a soubermos orientar e pesquisar.

  Sendo jornalista e utilizador desta plataforma, que vantagens considera que o twitter traz à sua profissão?

Acima de tudo a possibilidade de ter um contacto mais pessoal com o nosso público, poder criar uma linha de diálogo com quem consome o nosso trabalho é fundamental, apesar de ser por vezes difícil de lidar, mas depende muito da atitude que se tem, tanto perante o trabalho que se faz como com as opiniões dos outros.

Depois é a possibilidade de se poder criar a nossa própria rede de contactos, o nosso feed pessoal e público. Há muita gente a alterar o percurso tradicional da comunicação empresarial e a difundir informação directamente na sua conta do Twitter em vez de usar press releases e afins, por isso é preciso ter noção dessa mudança e adaptarmo-nos a ela.

A lógica de partilha, os retweets, também são úteis, não só por partilharmos informação não criada por nós que é relevante mas também por que damos algum crédito a quem a originou. Isso traz proximidade e é o que digo, a parte complicada do jornalismo não é escrever os textos ou fazer vivos para uma câmara, mas relacionarmo-nos com as pessoas e com as fontes. Se tivermos uma presença interessante e interessada as histórias e a informação vêm ter connosco.

Muita da sua fama advém da forma como utiliza as plataformas online. Até que ponto o twitter pode ser considerado uma ferramenta da informação?

É uma ferramenta pura de informação, porque funciona em tempo real (síncrono), é abrangente e transversal, sem limites geográficos, e tem um elevado grau de viralidade, ou seja, a mensagem pode-se espalhar muito depressa. Conheci gente muito crítica do Twitter, mas tenho a certeza que para passar a mensagem deles usariam de tudo ao seu alcance, nem que fossem sinais de fumo. É uma ferramenta de comunicação com características particulares, agora se é usada em todo o seu potencial pelos profissionais de informação é outra questão.

Considera que a simplicidade do twitter convém ao meio informativo ou, pelo contrário, torna a mensagem mais redutora?

A mensagem não é redutora porque um tweet é um ponto de partida. Pode ter um link para um artigo, um imagem, um video ou áudio: “Acidente A2 agora” + link da foto do carro espatifado. Isto não é redutor, é sucinto. Não diz as causas nem temos pormenores sobre as consequências, mas é um ponto de partida. O problema é que muita gente encara o jornalismo dessa forma, diz que houve um acidente e pronto, e não se dá ao trabalho de fazer mais perguntas. O meio nunca é redutor, a atitude pode ser.

O twitter é um serviço de mensagens. Sendo assim, faculta uma maior proximidade entre utilizadores. Acha que esta proximidade facilita o contacto com as fontes e, por conseguinte, o processo informativo?

Claro, porque permite o contacto e o diálogo imediato com vários utilizadores, contornando uma série de obstáculos e limitações como a localização, por exemplo. Eu estava em Birmingham a recolher informação partilhada por utilizadores locais durante as enxurradas na Madeira. Há quem ache que não se pode confiar em fontes online, mas tem que se fazer o mesmo que se faz às fontes offline: verificar, verificar, verificar.

Como se fazem entrevistas via twitter?
a) É um meio cómodo para entrevistador e entrevistado?

Depende, eu não acho que seja um bom meio para entrevistas mas acho um meio excelente para ser usado em entrevistas em directo noutros meios, seja no mundo real durante uma conferência, na rádio ou na televisão. Uma entrevista exclusivamente no Twitter tem que ter um público específico e que esteja disposto – assim como o entrevistador e o entrevistado deverão estar – a passar umas horas num diálogo intermitente que se condensaria em poucos minutos.

É uma forma fantástica de se abrir o processo da entrevista ao público e permitir que se façam perguntas que realmente interessam ao público, sem a mediação do jornalista. Isto levanta uma série de questões interessantes sobre o controlo e o papel do jornalista na informação  e a sua responsabilidade editorial, e também sobre o que as pessoas querem realmente saber, assim como o grau de exposição do entrevistado. Eu acho que torna tudo mais divertido.

b) Devido à limitação de caracteres, as perguntas dos jornalistas e as respostas das fontes não se tornam demasiado superficiais?

Se for tudo feito pelo Twitter e se não se souber comunicar pelo Twitter, sim. Mas o Twitter não é para se fazer dissertações, é preciso adequar tanto as perguntas como as respostas ao meio.

As aplicações como “twitter portugal” ou “twitter local” vieram facilitar a profissão do jornalista (quando utiliza esta plataforma)? Em que medida estas o auxiliam no contacto com as fontes?

Não uso essas plataformas, aliás, a única utilidade que tiveram para mim foi encontrar e ser encontrado por jornalistas nacionais. Mesmo as ferramentas de geolocalização do Twitter não são muito fiáveis, dependem do serviço de internet e da própria sinceridade dos utilizadores na altura de definir a sua localização. Podem ser uma forma de aproximarmo-nos ou permitir uma aproximação das fontes, mas há outras formas de filtrar, avaliar e contactar as fontes.

Acha que o twitter veio modificar a forma de fazer jornalismo em Portugal?

95%  dos jornalistas com que lidei até hoje não usam o Twitter, ou usam de forma muito residual. Eu às vezes acho que nem a Internet veio mudar a forma como se faz jornalismo em Portugal, mas isso sou eu que gosto de dramatizar as coisas. Não acredito que haja muitos jornalistas cá que encarem o twitter como uma das suas principais ferramentas de trabalho.

 

Home

Devo dizer ainda que reparei ontem que ultrapassei os 5 mil seguidores, o que não é mau, já que por norma nunca adiciono ninguém a não ser que me interesse mesmo, e adiciono de volta 90% das vezes, ou seja, não é um crescimento forçado ou que recorra a estratégias. Depois, ainda não tenho a última versão do Twitter a funcionar, mas parece-me ser muito interessante a forma como estão a redesenhar a plataforma e as sua funcionalidades.

A melhor das novidades é a possibilidade de incorporar os tweets nos blogs, mantendo o seu aspecto original, mas há muitas outras que valem a pena ser exploradas, mas não pensem que se trata de uma facebookização do Twitter. É algo mais.

Podem também ver o balanço do ano feito por eles, com os momentos mais marcantes que se desenrolaram a 140 caracteres de cada vez. Se não perceberem aí porque é que o Twitter é tão importante, então nunca  irão perceber.

 

 

 

Formação Jornalismo Online – Jornalistas Locais e Regionais

%CODE1%

 

Estou a preparar uma formação para jornalistas e publicações locais e regionais. Se estiverem interessados apitem.

Esta formação proporciona, de forma modular, a compreensão e aplicação de técnicas de produção de conteúdos jornalísticos para a web. É dirigida a jornalistas e editores de orgãos de comunicação local e regional, e tem em conta as características específicas das publicações e a sua relação com a comunidade.

As sessões têm uma elevada componente prática e de debate, e são moldadas às realidades de cada um dos formandos. As ferramentas usadas são na sua maioria gratuitas, sem necessitarem de conhecimentos de programação.

Há também a possibilidade de formação na redacção e adaptada à realidade da publicação, e que pode fazer parte de um pacote de consultadoria para o desenvolvimento da versão online da vossa publicação.

Local da Formação: Tubo d’Ensaio, ou em redacção

Número de sessões: 5

Duração Total da Formação: 20 horas (4 horas por sessão)

Número de formandos por grupo: 6 no máximo

Preço: 150 euros por formando.

Material pedido aos formandos: um computador. Caso não seja possível, procuraremos fornecer um para ser utilizado durante a formação.

Plano de formação (base)

Evolução da Produção Digital – o novo ecossistema de produção e distribuição de conteúdos online; o que mudou com as ferramentas digitais; competências do jornalista moderno;

Escrever para a Web – técnicas de escrita online, estilos e formatações; gestores de conteúdos; escrever para motores de busca e para os leitores;

Linguagens Multimédia e Interactivas – perceber novas formas de contar histórias; linguagens dinâmicas e interactivas, como e quando usar;

Visualizações de dados- como criar histórias com dados; ferramentas gratuitas para construir visualizações;

Redes Sociais& Liveblogging;  Criação e desenvolvimento de comunidades online; Facebook, Twitter e Google+

Alex Gamela fez o Mestrado em Jornalismo Online na Birmingham City University e trabalhou como formador de Escrita e Narrativas Multimédia para a Universidade do Porto, em programas de formação para a Cofina (todas as publicações e a mais de 200 jornalistas e editores do grupo), e para o P3. Também colaborou no desenvolvimento da estratégia para as redes sociais do Jornal de Notícias.

Escreve uma coluna mensal para a PCGuia, e  é convidado regularmente para escrever sobre jornalismo e redes sociais por várias publicações nacionais e internacionais. Foi colaborador doJournalism.co.uk , onde publicou artigos sobre novos projectos de jornalismo online.

website: http://alexgamela.com
CV: http://vizualize.me/alexgamela ou http://pt.linkedin.com/in/alexandregamela
Twitter: @alexgamela

Email: alexgamela@gmail.com