Category Archives: Jornais | Newspapers

Marca.com in English!

Like I have defended many times, some brands can have international reach, that is limited only by language.

Marca, one of the biggest and best sports journalism newspaper has now an online English version. This is great for those who like to follow one of the most important football leagues in the world and don’t speak Spanish.

 

 

If you have valuable content with worldwide potential audience, you should make it available to them, overcoming the limitations, whether it’s language or device. There is no such thing as borders on the Internet.

 

Ainda o Fórum Jornalismo e Sociedade: Videos ESECTV

A ESEC TV, a TV da instituição que me licenciou e que está cheia de gente com quem trabalhei e de quem gosto bastante, esteve a fazer o directo e a cobertura para o seu programa semanal das 4ªs à noite na 2, do Fórum Jornalismo e Sociedade. Acabaram por me entrevistar mas se calhar os outros entrevistados na ocasião disseram coisas mais interessantes, por isso dêem uma espreitadela.

Moi même:

%CODE1%

Gustavo Cardoso, coordenados do projecto Jornalismo e Sociedade

%CODE2%

Sara Meireles, que foi minha professora  na ESEC

%CODE3%

José Alberto Carvalho, este toda a gente conhece, também esteve lá

%CODE4%

Adelino Gomes, que tem sido a alma destes fóruns

%CODE5%

Jornal Público acaba com a edição em papel (o de Espanha)

Depois de ter sido lançado em Setembro de 2007, o jornal Público (de Espanha, não confundir com o nosso) termina com a sua edição em papel.

Há um ano  tinha uma tiragem média de 90 mil exemplares, longe dos quase 425 mil do líder El País.

De acordo com o artigo publicado no site do jornal, a edição online continuará para servir os cerca de 5,5 milhões de utilizadores.

Los trabajadores decidirán en asamblea cuando se publica el último número, aunque como máximo podrá salir a la calle hasta el próximo domingo 26. Esta medida no afecta a la edición digital que continuará con su actividad. Público.es tiene más de 5,5 millones de usuarios únicos, que la sitúan como la cuarta web de información general en España, según los datos de OJD.

O blog 233grados recolheu algumas reacções no Twitter.

[blackbirdpie url=”https://twitter.com/#!/iescolar/statuses/173004488720908288″]

Apesar das manifestações de apoio, o jornal vai ter que despedir parte dos seus 160 trabalhadores. O Público tranformou-se num jornal de referência na sociedade espanhola, com a sua linha humanista e interventiva e aposta no jornalismo de qualidade.  Seria de esperar que em tempo de crise a sua voz fosse mais forte,  mas talvez por esta crise ser particular perdeu o seu espaço e a sua viabilidade económica.

Segue online e vamos ver o que o futuro lhes reserva. Cliquem na imagem abaixo para ler o manifesto de apoio ao jornal.

E em Portugal? Haverá encerramentos em breve?

Novo site do El País: mudanças e estratégias

%CODE1%

O El País renovou o seu site e não se tratou apenas de uma operação de estética. Há alterações profundas nos processos e nos hábitos da redacção, na estrutura das secções, mas mantendo a filosofia que interessa: serem os primeiros, os melhores, os que satisfazem o leitor do século XXI.

De acordo com Javier Moreno, director do El País, esta foi uma tripla mudança: no design, no gestor de conteúdos, e na “estrutura da redacção para poder atender a todas as necessidades dos leitores na web“.

Um dos pontos fulcrais está mesmo nessa reorganização da redacção, com alterações no workflow, desde a constituição das equipas ao estabelecimento de novos horários – a redacção funciona agora em regime 24/7.  O objectivo é colocar o “produto El País” na web, “o canal natural das notícias no século XXI”, potenciando assim toda a capacidade dos jornalistas, analistas, correspondentes.

As próprias secções da publicação foram estruturadas de forma diferenciada, uma estratégia definida “após uma análise detalhada de quais são as necessidades e exigências de cada leitor.”

Neste processo de mudança aprenderam que a inovação jornalística está ligada à inovação tecnológica:

Apenas com uma aposta na tecnologia é que poderemos levar a informação de qualidade aos leitores do século xxi não só através dos ecrãs dos computadores mas também através dos telemóveis e dos tablets.

De salientar o investimento feito na secção da América Latina, o que permite explorar um vasto mercado de leitores que falam espanhol, a segunda língua mais falada no mundo, por cerca de 380 milhões de pessoas. Há um mercado de 178 milhões que falam português.

Como podem perceber, este caso é diferente de outros que já abordei aqui no blog, pois  existe um plano que vai para além do aspecto do site ou das suas  funcionalidades, e que relaciona os métodos de trabalho com as necessidades dos utilizadores, assim como as exigências das diferentes plataformas, tirando o máximo proveito da história e recursos humanos da marca.

É uma mudança feita a pensar nas características específicas do meio online e das diversas plataformas digitais.

Outro ponto de interesse  – e que não está explicado no vídeo –  é a forma como vão utilizar um “Colabulário“, ou seja, uma convenção de tags/etiquetas para poderem relacionar conteúdos actuais e de arquivo, algo que já defendi neste post, e que quem teve formação comigo se deve lembrar de eu falar.

 

Um aparte: tudo o que foi feito no El País, ou pelo menos como é vendido, é basicamente como acho que a reformulação das publicações online devem ser feitas. Eu começava a achar que estava errado e assim, pelo menos, vejo que não estou a errar sozinho.

 

Mais um aparte: este vídeo foi (bem) feito com uma HDSLR.

Partilhem aí a vossa opinião sobre estas mudanças e estratégias, e indiquem exemplos equivalentes em Portugal.

A estratégia do EL País está clarificada neste slideshow, e analisada por dentro aqui e aqui.

%CODE2%