Duas entrevistas de estudantes

Eu não sei como ou porquê, mas volta e meia tenho estudantes de jornalismo a enviar-me perguntas para alguns trabalhos académicos. A maioria nem agradece, diz para o que é ou onde estuda, ou mostra os resultados finais, mas tento sempre responder o melhor que posso às questões colocadas. Acaba por ser uma maneira interessante de rever as minhas ideias sobre alguns assuntos, e espero poder contribuir para uma boa nota (apesar de achar que é sempre um risco andarem a fazer-me perguntasdeste tipo). De qualquer forma, no final do ano passado houve dois estudantes que pediram a minha opinião sobre crowdsourcing e crowdfunding, e sobre jornalismo vs jornalismo online. Aqui ficam as transcrições, e, se quiserem, discordem na caixa de comentários.

Crowdsourcing/funding – Tiago Perdigão

1 Onde ouviu falar a primeira vez de crowdsourcing/funding?

Não posso especificar quando, são temas que têm sido discutidos desde que comecei a olhar para os media online. No crowdsourcing temos como exemplo máximo a Wikipedia e na parte de financiamento têm surgido vários exemplos, com maior ou menor sucesso. Mas a participação dos utilizadores tem crescido por razões óbvias, e ainda há muito por fazer para se poder tirar o maior proveito disso. As redes sociais começam a desempenhar um papel preponderante em ambos os campos, especialmente no crowdsourcing.

2 O jornalismo português está a adaptar-se bem?

Nem bem, nem mal. Há sempre aquelas iniciativas de “partilhe a sua história” ou envie as suas fotografias” e pouco mais, o que é manifestamente insuficiente. Ainda não vi ninguém a assumir uma postura decidida sobre o assunto. No que diz respeito ao financiamento, há limites impostos pelas estruturas empresariais que não contemplam a contribuição monetária pelos utilizadores para projectos de investigação por exemplo, o que faz todo o sentido dentro da lógica comercial vigente. Talvez venha a acontecer em projectos mais pequenos e independentes, mas para já não vejo lugar para isso em regimes corporativos. Mas é necessário que se crie um diálogo com os utilizadores, e aí o crowdsourcing será mais eficaz, e útil para ambos as partes.

3 Pontos maus? 4 Pontos bons? (não tenho bem a certeza a que te referes, se ao jornalismo em Portugal se ao crowdsourcing/funding em si. Mas aqui vai.)

Não há estratégias definidas em Portugal para se trabalhar com as contribuições dos utilizadores. Há vantagens e desvantagens no crowdsourcing/funding, mas podem ser só vantagens se os media aprenderem a adaptar a sua estrutura para estes fenómenos. Ainda há quem pense que dar voz aos utilizadores é um perigo para a actividade jornalística mas essa voz existe e muitas vezes é mais forte do que a dos media. É preciso saber usar essa voz em favor de todos. 5 Um exemplo que gostaria de pôr em prática? O melhor exemplo de crowdfunding para mim e que gostava de pôr em prática é o Spot.us, um projecto que tem tido bastante sucesso e aceitação. Do lado do crowdsourcing não tenho assim nenhum exemplo em particular mas todas as ferramentas que agreguem e permitem a participação e expressão dos utilizadores são de grande importância, desde mapas abertos a sondagens, a publicar grandes volumes de dados para análise pública. O futuro passa cada vez mais por essa interacção entre os utilizadores e as estruturas jornalísticas e os utilizadores já estão no ponto certo há muito mais tempo que os jornalistas, falta apenas que estes se mantenham a par.

Jornalismo vs Jornalismo Online – Ruben Pires 

Os jornais vão sobreviver face à internet?

Se a pergunta é sobre os jornais em papel, alguns vão sobreviver sim, outros não. Começo a achar que não é a Internet que os vai fechar mas apenas a falta de visão das suas direcções. O que pode deixar de existir são algumas versões em papel, ou certos modelos, há jornais que estão a usar o papel para conteúdos diferentes do que os que publicam online, mais elaborados, com um investimento diferente na qualidade. Depois há a questão dos novos suportes, como os e-readers e os telemóveis, que toda a gente tem. O papel vai ser um luxo, e com mercados definidos, e isto não implica que os jornais como empresas acabem, mas que passem a adoptar novos formatos e a investir nos conteúdos mais apropriados apra cada dispositivo.

Que modelos de comunicação têm de adoptar os media tradicionais perante o digital?

Têm que aprender a fazer mais e melhor multimédia e a saber dialogar com os seus utilizadores, fazê-los sentir que são parte do processo, e deixar partilhar e redistribuir os seus conteúdos. Há uma atitude defensiva por parte de alguns media que são contra natura na lógica web, mas há sempre quem veja mais longe. A maior alteração é que têm que perceber que os processos, produtos e dispositivos finais têm características específicas e terão que saber adaptar-se a isso, e promover as capacidades necessárias à produção deste tipo de conteúdos dentro das suas redacções.

Leave a Reply